O FIO DA MEADA XVII NIÓBIO E SEGURANÇA NACIONAL

O Jornal “Folha de São Paulo”, no dia 05 de novembro, noticiou que

“LULA passou o final de semana em Araxá em casa da CBMM do Grupo Moreira Salles e da Multinacional Molycorp… A Companhia exporta 95% do Nióbio que retira de MG e é a maior exploradora do metal do mundo. Por meio de uma ONG a empresa financiou projetos do “Instituto Cidadania”, presidido por LULA, inclusive o “Fome Zero”, que integra o programa de governo do presidente eleito.
(Folha de São Paulo de 05/11/02, pg. “A” 4.)

A matéria obriga à reflexão, porque evidencia a aliança anterior às eleições presidenciais entre um político, supostamente de esquerda, e uma multinacional, que de acordo com os dados do I.B.G.E, da Secretaria do Comércio Exterior e da “CPRM” subfatura exportações de nióbio, causando prejuízos anuais de bilhões de dólares americanos ao Brasil.

O raciocínio é simples: o Brasil, considerando as reservas de São Gabriel da Cachoeira – AM, não computadas pelo DNPM (Departamento Nacional de Produção Mineral), detém 98%(noventa e oito por cento) das reservas mundiais exploráveis de nióbio. O mundo consome anualmente cerca de 40.000 toneladas do minério, totalmente retiradas do Brasil (dados de 1.999).

Como os valores das exportações desse estratégico minério não aparecem no balanço comercial, que acusa insignificantes 240 milhões de dólares, conclui-se que há subfaturamento de exportações de nióbio da ordem de bilhões de dólares americanos.

Os preços do nióbio, cotados na Bolsa de Metais de Londres (50 libras esterlinas o quilo), são meramente simbólicos, porque o Brasil é o único fornecedor mundial, portanto, quem deveria determinar o preço é o vendedor (mercado do vendedor). Mal comparando, nióbio a 50 libras o quilo é o mesmo que petróleo a três dólares o barril. No caso do petróleo, a OPEP estabelece o preço do mineral, equilibrando os interesses dos consumidores e produtores, porque o preço do petróleo é uma “questão de Estado”. O mesmo não ocorre com o nióbio; absurdamente, quem estabelece o preço de venda do produto são os compradores, em conluio com as empresas que exploram o minério no Brasil e que nessa ação deletéria contam com a conivência “oficial”, de políticos cujas campanhas e “projetos” financiam. Tanto os preços de venda como as quantidades exportadas são subfaturadas, há décadas.

Os dados sobre o nióbio fornecido pelo DNPM estão eivados de vício, porque tanto as quantidades do minério quanto os preços apontados pelo departamento são subfaturados, fornecidos pelos próprios interessados, da conspiração Araxá/Catalão.

Uma fração dos valores e quantidades reais do nióbio “exportado” seria suficiente para erradicar a subnutrição da população carente, e livrar o Brasil da desfavorável condição de devedor, além de financiar o desenvolvimento.

Estados Unidos, Europa e Japão são 100%(cem por cento) dependentes das reservas brasileiras de nióbio, minério que é tão essencial como o petróleo, só que muito mais raro.

Sem nióbio não existiria a indústria aeroespacial, de armamentos, de instrumental cirúrgico, de “gilete azul”, de ótica de precisão e etc. Os foguetes não iriam à lua e os vetores atômicos transcontinentais seriam ficção científica, assim como a “Guerra nas Estrelas” dos americanos.

Ora, se por petróleo as potências vão à guerra, imagine-se o que não fariam para garantir o nióbio grátis, que retiram do Brasil, com a complacência de governantes, cujas campanhas políticas e projetos são previamente financiados.

O governo que finda tentou “privatizar” as reservas de nióbio “a céu aberto”, de São Gabriel da Cachoeira – AM, em outubro de 1.997, pelo miserável “preço mínimo” de R$ 600.000,00(seiscentos mil reais), quando a avaliação da CPRM (Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais) é, pasme-se, 1 trilhão de dólares americanos (Fio da Meada V e VII – Revista Carta Capital de 19/3/97, pg. 70/72)”

Tudo isso comprova, irrefutavelmente, que existe uma conspiração internacional antiga, para espoliar o Brasil de seus minérios, que impede o acesso da Nação Brasileira às riquezas do seu território. É o paradoxo do povo pobre de país riquíssimo.

A intimidade de vários governos com a “Conspiração de Araxá” (Collor já era assíduo freqüentador da cidade), sinaliza que a estrutura político-institucional vigente é incompatível com a autodeterminação do país. O “tratamento VIP” (segundo a Folha de São Paulo) dispensado a Lula e ao seu vice, em Araxá, bem como os financiamentos que sua campanha presidencial e seus “projetos” mereceram, são exemplos marcantes dessa falha institucional.

Evidenciando a “conspiração Araxá”, Lula, após hospedar-se na CBMM, reuniu-se com governadores do PSDB, em Araxá, entre os quais Aécio Neves – MG, cujo tio, Gastão Neves é a “eminência parda” dos minérios no Brasil.

“ARAXÁ – Foi produtiva a primeira reunião de trabalho do presidente eleito, Luis Inácio Lula da Silva, com os 7 novos governadores do PSDB, ontem em Araxá. Os governadores de sete Estados (SP, MG, CE, PB, PA, GO e RO) acenaram com proposta de parceria e apoio de suas bancadas no Congresso para aprovar propostas de interesse do futuro governo, com a que mantém a arrecadação nos níveis atuais, sem reduzir de 27,5% para 25% a alíquota do imposto de renda pessoa física.
Me senti numa reunião de amigos, diz o Presidente eleito”.
(O Estado de São Paulo – 26/11/2002).

Lula pode até não esposar a ideologia esquerdista, mas o seu partido objetiva estatizar a economia através do confisco tributário, ação que conta com a complacência do Poder Judiciário, que depende do aumento da arrecadação para custear os seus orçamentos. É o mesmo processo comunizante aplicado na Romênia em 1947/48. Todo esse retrocesso histórico poderia ser evitado observando-se os erros de países que viveram essa amarga experiência político-econômica e adotando-se os acertos das economias capitalistas, principalmente, aproveitando-se, adequadamente, o potencial de recursos naturais do território brasileiro, ao invés de exaurir a população e as empresas com impostos e juros escorchantes.

Por outro lado, se o Brasil receber pelo nióbio que é contrabandeado e subfaturado pelos exportadores, poderá autofinanciar o seu desenvolvimento sem dívidas, garantindo empregos, renda, alimentação e oportunidades a todos os brasileiros. Nessa medida, o programa “Fome Zero”, cujos “estudos” foram financiados pela CBMM, não passa de manobra diversionista da “CONSPIRAÇÃO ARAXÁ”, com claro objetivo de manter a dominação do NIÓBIO, a custa de outros segmentos econômicos e sociais brasileiros, que serão demonizados e tributados, ao exaurimento, pelo governo supostamente esquerdizante do PT, que já demonstrou, com a “aliança ARAXÁ”, que está a serviço de interesses transnacionais. O mesmo pode-se dizer do MST (apêndice guerrilheiro do PT) que está a serviço do agronegócio internacional e tem como missão desestabilizar o agronegócio no Brasil, país com vocação agrícola e mineral insuperável.

Essas estratégias não são novidade histórica. O Império Britânico, por exemplo, ganhou a “guerra fria” contra a Rússia Czarista, pelo domínio da Ásia, financiando a Revolução Bolchevic de 1.917. O único caminho para a nação brasileira é autodeterminar-se, reintegrando-se na exploração dos seus recursos.

O subsolo é propriedade da UNIÃO FEDERAL, os recursos minerais estão sendo desviados, em detrimento do interesse nacional, logo, o governo federal, por dever de ofício, deverá encampar a comercialização e a exportação do nióbio, ficando a cargo das mineradoras apenas a extração e a transformação do minério, remunerando-se-as, pelos mesmos preços que praticam atualmente.

Coordenando as exportações de NIÓBIO, terras raras e outros minérios (quartzo), a administração federal poderá alavancar as exportações brasileiras, para a Europa, E.U.A. e Japão que são os maiores mercados mundiais em poder aquisitivo. Utilizando, adequadamente, suas potencialidades minerais, como “moeda de troca”, o Brasil poderá exportar, rapidamente, 300 bilhões de
dólares anuais e importar 250 bilhões, por exemplo, criando empregos e fortuna na mesma proporção.

Partindo-se da premissa que o aprimoramento institucional é um processo de outorga, é imprescindível que os brasileiros responsáveis dediquem toda a sua capacidade, na busca de soluções, que adequem as instituições à preservação dos interesses nacionais.

São Paulo, 28 de novembro de 2002

GRUPO DAS BANDEIRAS
Antônio Ribas Paiva
Presidente